Família que respira junto, tem saúde junto!

Família que respira junto, tem saúde junto!

Na vida em família, aprendemos a lidar com diversas situações... ir ao médico ou cuidar de alguém que está com algum probleminha de saúde é uma delas. Só quem já passou ou acompanhou alguém com algum quadro de risco no sistema respiratório sabe a agonia e conhece o constante desejo de experimentar uma melhora. Infelizmente, os problemas respiratórios não possuem uma época certa para acontecer, podendo acometer crianças, adultos e idosos. Mas, como sabemos, existem males que podem ser evitados. Algumas soluções práticas podem bloquear a efetividade desse tipo de problema no organismo.

Se um tem, todos tem?
Não necessariamente, na verdade, alguns quadros respiratórios ganham força de acordo com as bases genéticas, um exemplo disso é a rinite alérgica, presente na vida de 40% da população mundial. Geralmente em uma casa, se os pais tiverem rinite, a probabilidade de que os filhos também tenham é grande, mas a verdadeira questão que fica é: Como tratar?

O convencional é o uso de medicações que controlam a mucosa nasal por longos períodos combinados com uma boa gestão do ambiente, um bom trato na limpeza, a remoção de alérgenos e deixar o ar fluir bem pela casa podem evitar muitas crises. 

É o caso da asma, essa pequena inflamação nos bronquíolos que aproveita a ocasião da herança genética e se desenvolve quando a pessoa fica exposta a estímulos externos como ficar exposto à fumaça do cigarro, lugares com muito pó e até algum vírus gripal. O que é muito importante ressaltar é que o tratamento precoce da asma pode evitar grandes danos no futuro. É bom ficar em alerta caso os sintomas de falta de ar e tosse sejam extremamente recorrentes. 

Outra condição que é extremamente agressiva - mas que também pode ser tratada - é a bronquite, que diferentemente da asma, é uma inflamação que acontece nos brônquios, gera um inchaço na região e deixa estreito o canal onde passa o ar, contudo, a bronquite se divide em aguda e crônica, sendo a primeira uma infecção transitória despertada por vírus e bactérias que, em contato com a região alta do sistema respiratório e que vai se irradiando para os brônquios. Já a segunda é a forma mais grave e preocupante da doença, causada por meio da exposição a agentes nocivos, como fumaça do cigarro, tabaco e produtos químicos que causam irritação, podendo se alongar em crises graves.


Em família se resolve!
Exatamente, com alguns cuidados pode se obter uma melhora efetiva e evitar problemas graves, listamos aqui uma série de ações para que essas condições não seja o tipo de visitante indesejado e nocivo na sua casa:


Evite carpetes e forrações;

Mantenha as vacinas de gripe em dia;

Evite hábitos que carregam o tabagismo consigo;

Cuidar com pólen, ácaros e envolvimento com sujeiras;

Retirar o pó com panos úmidos, evitando vassouras e espanadores

Não abuse dos umidificadores de ar, deixe o ar natural correr livremente;

Estabeleça hábitos de higiene, as bactérias e microorganismos podem despertar algum problema; 

Não faça uso exagerado de aerossóis, podem irritar as vias respiratórias ocasionando demais incômodos;

Cuide com os animais de estimação (infelizmente os pelos dos pets muitas vezes despertam sintomas alérgicos);

Deixa o sol entrar, a iluminação e o calor trazem uma temperatura confortável para a casa.

Envolver toda a família nas tarefas de casa, organização e limpeza, além de promover saúde, gera um bom senso de responsabilidade coletiva. 

Educando bem o Nariz
Talvez o termo possa soar meio estranho, mas a verdade é que quando cuidamos do modo como nós, ou nossos familiares conduzem a respiração, passamos a colher resultados muito agradáveis. Para isso, desenvolver a prática de exercícios respiratórios e fazer o uso de um dilatador nasal como o Flux Air, vai te inserir em um processo de educação nasal, seu nariz vai se adaptando através de um meio natural, a ter uma respiração melhor, tendo como resultado disso a melhora na inalação do ar, potencializando o desempenho em atividades físicas e até mesmo dormindo melhor.

Caso você perceba esses sintomas em você ou alguém da sua família, sugerimos a visita ao médico e a aplicação de algumas dicas que pontuamos ali em cima.



Olá!

Gostamos de manter você bem informado, por isto cadastre aqui seu email para continuar a acessar nosso blog.


Ao assinar, você concorda com a nossa política de privacidade.

[time] atrás, de [location]
Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência em nosso site. Ao clicar em aceitar, você concorda com a nossa Política de Privacidade
Inscrição realizada com sucesso!
Este e-mail já foi registrado.